Webmail
sábado, 11 de julho de 2020

Notícias

publicado em 25/08/2018

Comando cobra ultratividade e bancos respondem no sábado

Fenaban recuou da retirada de direitos da CCT, mas insistem no aumento real de 0,5% já recusado; mesa pode ser retomada no sábado.

Após dois dias de negociações, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não trouxe nenhuma nova proposta ao Comando Nacional dos Bancários.

Em rodada realizada na quinta-feira (23), a Fenaban recuou e afirmou que não haverá mais retirada de direitos nem supressão de cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). No entanto, na sexta-feira (24), apesar de o Comando estar desde o início do dia aguardando a negociação, os bancos só iniciaram a rodada por volta de 23h, que se arrastou até a madrugada do sábado. A pausa de quinta para sexta foi solicitada pela Fenaban para fazer consultas às instituições financeiras que mantiveram o aumento real de 0,5% sobre salários, vales, auxílios, valores fixos da PLR, já rejeitada na rodada do dia 22.

Diante dessa situação que se arrasta, o movimento sindical cobrou a ultratividade (acordo que garante os direitos até o fim das negociações) e os bancos chamarão uma nova rodada para este sábado (25), para dar a resposta. As mesas específicas do Banco do Brasil e da Caixa Federal só serão retomadas após finalizada a Fenaban.

Na quarta-feira (29), em todo o Brasil, os bancários realizarão assembleias para definir os rumos da campanha. “É absurdo o setor que mais lucra no Brasil, com todos os indicativos dos balanços em alta, querer pagar aumento real de 0,5%, muito abaixo da média de 0,94% de outros setores da economia bem menos lucrativos no primeiro semestre deste ano”, afirmou Juvandia Moreira, presidenta da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro e uma das coordenadoras do Comando.

“Os banqueiros ofereceram uma proposta insuficiente. Queremos clareza com relação à garantia de direitos e melhoria no índice de 0.5% de aumento real que foi apresentado. É importante lembrar que só nos primeiros seis meses desse ano, foram 41,6 bilhões de lucros. Os bancos podem atender as nossas reivindicações e oferecer aumento real maior para salários e demais verbas”, explica Aline Molina, presidenta da Federação dos Bancários da CUT de São Paulo (FETEC-CUT/SP).

  Fonte: FETEC-CUT/SP com Contraf-CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil