Webmail
quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Notícias

publicado em 20/06/2016

Congressos do BB e da Caixa são exemplos de mobilização da categoria

Em um período de ameaça aos bancos públicos, mais de 800 bancários se reúnem para definir rumos da luta.

“Encerramos, acumulamos e agora vamos à luta. Tenho certeza que cada bancário e cada bancária sai daqui convicto de uma coisa: só a luta te garante!”, afirmou Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT, ao final do 27º Congresso Nacional dos Funcionários do BB e do 32º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), neste domingo (19).

Durante três dias, mais de 800 trabalhadores, entre delegados, convidados e observadores estiveram presentes no Hotel Holiday Inn, no Parque Anhembi, em São Paulo, para debater as demandas dos trabalhadores do Banco do Brasil e da Caixa. “Fizemos isso num momento histórico de conjuntura, num momento em que os bancos públicos estão sendo ameaçados por um governo interino golpista”, ressaltou Roberto von der Osten.

Cada um dos congressos aprovou as pautas específicas, que serão encaminhadas aos bancos. O presidente da Contraf-CUT agradeceu a cada bancário e bancária que participou e contribuiu para a construção do nosso pensamento a respeito da conjuntura e da campanha nacional. “Quero agradecer a todos os sindicatos e federações, que fizeram debate no seu âmbito, trouxeram seus delegados e, com todo respeito, fizemos o debate da nossa diversidade para a construção de uma posição para nós defendermos os bancos públicos e defender nossa campanha nacional. “

O Secretário-geral da Contraf-CUT, Carlos de Souza, enalteceu a importância do 1º Seminário Nacional em Defesa dos Bancos Públicos, realizado na sexta-feira (17). Com o objetivo de debater a grande ameaça que o governo do presidente interino, Michel Temer representa ao patrimônio público, o Seminário reuniu bancários de bancos públicos e privados, além de envolver diversos atores da sociedade civil, movimentos sindicais, sociais e populares, MST e parlamentares.

Para ele, a volta da agenda neoliberal significa a abertura de capital de empresas públicas, desregulamentação, extinção de órgãos de controle, dispensa de licitação, retirada de direitos, enfim, um grande retrocesso para o país. “Estamos vivenciando o mesmo enredo usado pelo governo FHC para justificar a entrega do patrimônio brasileiro na década de 90. Diante desse quadro preocupante, estaremos reunindo forças neste seminário para construir uma grande unidade nacional em defesa dos bancos públicos.” Fonte: Fonte: Rede Nacional de Comunicação dos Bancários
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil