Webmail
segunda-feira, 14 de outubro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 18/10/2016

Gestores perseguem grevistas no Banco do Brasil

Diretores querem descontar a folga de quem trabalhou nas eleições municipais dos dias de paralisação, mesmo com o acordo que anistiou os 31 dias de greve; prática deve ser denunciada ao Sindicato.
 
A demora do Banco do Brasil em emitir comunicado interno sobre a reclassificação de ausências na greve criou ambiente favorável para que alguns gestores tomassem medidas unilaterais com o objetivo de punir quem participou da paralisação de 31 dias da Campanha Nacional Unificada 2016.

Os alvos são os bancários que ficaram à disposição do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nas eleições municipais, em 2 de outubro. Como trabalharam naquele domingo, esses funcionários têm direito a um dia de folga no banco. “Eles têm até 60 dias para utilizar esse abono, mas alguns gestores ‘mais realistas que o rei’ querem descontar esse dia de folga dos dias da greve. Ou seja, retiram o dia de descanso do trabalhador e desrespeitam o acordo firmado com o movimento sindical, que anistiou todas as ausências da paralisação”, destaca o dirigente sindical, integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, João Fukunaga.
 
A comissão de empresa denunciou o problema à direção do BB que, por sua vez, enviou mensagem aos departamentos alertando que a prática é irregular. “Caso o gestor insista nisso, os trabalhadores devem denunciar aos seus sindicatos. Apresentaremos os casos individualmente ao banco para que isso acabe. Quem lutou tanto por um acordo digno e que beneficiou a todos, inclusive esses gestores, não pode ser perseguido”, orienta o dirigente sindical.
 
 
Fonte: Seeb/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil