Webmail
quarta-feira, 28 de outubro de 2020

EM CIMA DA HORA

publicado em 30/09/2020

BNDES encerra mesa de negociações com empregados


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) soltou um comunicado informando que não negociará mais a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho dos empregados do sistema BNDES com os trabalhadores na mesa de negociações bipartite e que as negociações somente ocorrerão com a mediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

“Lamentamos essa decisão da diretoria do BNDES. Pedimos a mediação do TST, mas dissemos ao banco, em mesa de negociações, que não queríamos encerrar as negociações na mesa bipartite e que a busca da intermediação era apenas o cumprimento de um trâmite formal para a continuidade do diálogo em busca da solução”, explicou o vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). “E, em momento algum, o banco disse que se pedíssemos a intermediação do TST o banco encerraria as negociações bipartites”, completou.

Postura do banco

Para o vice-presidente da Contraf-CUT, desde o início, o BNDES busca atacar os direitos dos trabalhadores e as organizações de representação sindical. “Estávamos e estamos dispostos a manter as negociações. Encerrar as negociações é um desrespeito com os empregados, que aguardam ansiosos pelo desfecho da mesa”, ponderou. “Buscamos conversas para tentar encontrar uma solução. Mas, desde o início, uma parcela da diretoria do banco, que não são de carreira, manteve uma postura de não resolver a situação. Estão lá apenas para garantir que fosse cumprido o que o governo quer. Não nos restou alternativa a não ser buscar essa mediação, pois estava vencendo os 30 dias de manutenção da ultratividade dos direitos que conseguimos na Justiça”, argumentou Vinícius, ressaltando que a mediação do TST não significa a judicializarção do processo de negociações.

“A diretoria precisa dizer a verdade para o funcionalismo do BNDES. Não pode confundir e dizer que sentou na mesa com disposição de encontrar soluções, o que não vem acontecendo. São 2 meses e até agora o que avançou? Só as cláusulas econômicas e mesmo assim seguindo a Fenaban, que também tem presença na mesa e nada resolveu”, completou o vice-presidente da Contraf-CUT.

  Fonte: Contraf-CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil