Webmail
sábado, 19 de setembro de 2020

EM CIMA DA HORA

publicado em 25/08/2016

Caixa “solta cachorros” em cima dos empregados

Na segunda rodada de negociação específica da Campanha 2016, banco afirma que reestruturação está suspensa, mas estão liberados “ajustes” nos setores.
 
São Paulo – Se a primeira negociação sobre o acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) com a Caixa Federal foi marcada pelo descaso da direção do banco público com os empregados, a segunda rodada nesta quarta 24 foi bem pior. Não há data para uma próxima negociação.
 
Os negociadores da Caixa “soltaram os cachorros” contra os trabalhadores, de acordo com o diretor do Sindicato e coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE), Dionísio Reis. Afirmaram, por exemplo, que o processo de reestruturação está suspenso, mas que as chefias estão liberadas para promover “ajustes” que visem melhorias.
 
“Na prática isso quer dizer que chefias podem perseguir empregados à vontade, pois terão respaldo do banco. Isso é um absurdo que não vamos tolerar. Os empregados terão de reagir à altura e ampliar a mobilização para que o respeito seja estabelecido nas relações no ambiente de trabalho”, afirma Dionísio.
 
Como exemplo dos efeitos nefastos desse tipo de “ajustes”, os dirigentes sindicais relataram a perseguição de um gestor da Centralizadora Nacional de Habitação e Garantia (Cehag) da cidade de São Paulo, onde sete trabalhadores foram “transferidos” para outras unidades e outros 30 rebaixados na função. Tudo de forma unilateral e sem qualquer tipo de avaliação. 
 
Para os negociadores do banco essa remoção estava correta e informaram que se enquadra na nova política da empresa.
 
“Com isso a Caixa está institucionalizando o assédio moral. Fato que não toleraremos”, reforça o coordenador da CEE.
 
Saúde do trabalhador – Os bancários reivindicaram o custeio integral pela Caixa do tratamento das doenças ocupacionais, inclusive para os empregados aposentados por invalidez por acidente de trabalho. Também cobraram pesquisa e mapeamento do perfil do bancário da Caixa, criação de uma política de saúde mental, abertura de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) em caso de assalto a todos os empregados da unidade, além do combate ao assédio moral e todas as formas de violência organizacional.
 
A Caixa argumentou que já custeia o tratamento e admitiu que desrespeita a emissão da CAT por não fazê-la no período de 24 horas, mas só depois de avaliado por médico ou psicólogo. Negou a criação de política de saúde mental com participação dos trabalhadores. Afirmou ainda que faz o combate ao assédio moral.
 
GDP – A CEE voltou a reivindicar o fim da Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP). A Caixa também negou.
 
Saúde Caixa – Os sindicalistas enfatizaram que, pelo segundo ano consecutivo, a Caixa descumpre acordo que prevê a utilização do superávit anual do Saúde Caixa para melhorias no plano.
 
“A afirmação da bancada patronal foi de que ainda não foi aprovado pelo Conselho Diretor. Isso é uma provocação ao movimento sindical, que discute o tema há anos no GT de Saúde”, critica Dionísio.
 
Funcef – Os empregados também reivindicaram a quitação do contencioso judicial da Caixa com a Funcef e a manutenção do Fundo para Revisão de Benefícios. O banco não se posicionou.
 
Função de caixa – Outra reivindicação apresentada foi a alteração do normativo RH184, com a extinção do caixa minuto, do avaliador minuto e do tesoureiro minuto. 
Mas tudo que os negociadores do banco fizeram foi confirmar a extinção do cargo de caixa, retirado inclusive do Plano de Funções Gratificadas. E nenhuma resposta sobre alterar o normativo.
 
Caixa 100% pública – Quanto ao não fatiamento da Caixa e a manutenção de todas as participações acionárias que a empresa detém atualmente, os negociadores pela Caixa mostraram-se favoráveis. “Porém, os movimentos que vemos da Caixa não vão nesse sentido, como a possibilidade de venda da loteria, cartões e da seguradora. Além do risco que representa a saída do Fundo de Garantia da sua gestão, pleiteiada pelos bancos privados”, alerta Dionisio.
 
Fonte: Seeb/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil