Webmail
segunda-feira, 3 de agosto de 2020

EM CIMA DA HORA

publicado em 11/11/2016

Funcef terá mais um equacionamento em 2017

Mais de 63 mil pessoas serão impactadas, o que corresponde a 40% do total de participantes e assistidos do REG/Replan Saldado e Não Saldado. Fenae reforça a importância de combater o déficit, que chega ao quarto ano consecutivo

Equivocadamente mais uma vez, a Funcef ainda não se manifestou. Mas é certo: segundo dados do balanço de 2015, haverá novo plano de equacionamento em 2017. O segundo para os cerca de 57,5 mil participantes do REG/Replan Saldado, que já estão pagando 2,78% desde maio referente ao déficit de 2014. E o primeiro para os quase 6 mil do REG/Replan Não Saldado. Em resumo, são mais de 63 mil pessoas, o que corresponde a 40% do total de ativos, aposentados e pensionistas, que receberão menos a partir de janeiro.

“Sem medidas concretas da Fundação, o que temos é o crescimento constante do déficit, já é o quarto ano consecutivo. E, pior, vemos um movimento no sentido de penalizar ainda mais os participantes e assistidos, praticamente os culpando pelo desiquilíbrio das contas. Um bom exemplo foi a mudança recente na carteira de empréstimos, que trouxe aumento de juros e sistema de amortização mais oneroso. Estamos acompanhando e vamos manter todos informados a cada novidade”, afirma o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

De acordo o balanço do ano passado, o déficit que precisa ser equacionado a partir de 2017 é de R$ 6 bilhões, no REG/Replan Saldado. Já na modalidade não saldada, são 929 milhões. “A Funcef já deve saber as porcentagens de desconto, mas nada divulgou até o momento. Foi marcada reunião com as entidades representativas para o dia 21 de novembro, mas ainda não sabemos o que virá. O pagamento deve começar em janeiro”, diz Fabiana Matheus, diretora de Administração e Finanças da Fenae.

Modelo equivocado

Na avaliação de Fabiana Matheus, a Funcef errou ao optar, no início deste ano, pela nova regra para equacionamento do déficit do REG/Replan Saldado. “No final de 2015, Fenae e Contraf-CUT sugeriram que os participantes fossem consultados em um plebiscito. A Fundação ignorou e decidiu, unilateralmente, pelas regras aprovadas em novembro pelo Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC). Mascarou-se, digamos assim, o déficit com um plano de equacionamento mais brando para o saldado e não cobrou nada do não saldado. Agora virá a conta para valer”, afirma.

 

Fonte: Fenae
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil