Webmail
quarta-feira, 23 de outubro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 19/10/2016

Itaú não pode questionar atestados médicos

Apesar de o banco negar a prática, funcionários denunciam redução dos dias de afastamento em “avaliação clínica complementar”; bancários devem denunciar irregularidade ao Sindicato
 
Desde agosto, o Itaú alterou regras para a entrega de atestados médicos. De acordo com as novas normas, no caso de afastamento igual ou superior a cinco dias, o funcionário deve passar por “avaliação clínica complementar”, realizada em um dos polos administrativos do banco, no prazo de três dias após a emissão do atestado. Questionado sobre a possibilidade de questionamento do atestado, o Itaú alegou que a avaliação complementar tem apenas o objetivo de sanar falhas no encaminhamento dos documentos e facilitar o controle de enfermidades. Porém, ao contrário do alegado, bancários têm denunciado que atestados estão sendo revalidados pelo médico do banco, diminuindo dias de afastamento.
 
“É um absurdo. O Itaú não pode questionar a idoneidade moral do trabalhador e do próprio médico que o atendeu inicialmente. Nas denúncias que chegaram ao Sindicato (dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região), bancários reclamaram inclusive de terem sido intimidados e humilhados por médicos do banco na avaliação clínica complementar”, critica a dirigente sindical e funcionária do Itaú, Valeska Pincovai.
 
“Apesar de o Itaú negar a prática, reforçamos nossa orientação aos bancários de que nenhum atestado pode ser questionado. No caso de afastamento superior a 15 dias, o médico do trabalho deve encaminhar o trabalhador para perícia do INSS e, ao fazer este agendamento, o profissional do banco não pode alterar qualquer informação contida no laudo. E para afastamento de até quatro dias, caso o funcionário não tenha condições de entregar o atestado ao gestor em até três dias da emissão, pode enviá-lo por meio eletrônico ou através de outra pessoa”, orienta a dirigente.
 
Na avaliação do sindicato, ao contrário do que diz o Itaú, a avaliação clínica complementar tem o objetivo de controlar os trabalhadores que adoecem. “Os bancários que adoecem são vítimas de discriminação, assédio moral e são os primeiros a serem demitidos por performance. Como pode alguém com problemas de saúde ter a mesma meta de uma pessoa que está em plenas condições físicas e psicológicas?”, questiona Valeska.
 
DENUNCIE
Para que os sindicatos possam atuar de forma mais efetiva junto ao Itaú, os bancários que tiverem atestados questionados devem denunciar de imediato ao seu sindicato por meio dos dirigentes. O sigilo é garantido.
 
 
Fonte: Seeb/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil