Webmail
terça-feira, 16 de agosto de 2022

EM CIMA DA HORA

publicado em 27/06/2022

Sindicato protesta na F1RST para denunciar terceirização no Santander

No mesmo dia em que haverá negociação com a Fenaban, com o tema “emprego e terceirização”, no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2022 (campanha salarial), o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região realizou atividade na manhã desta segunda-feira 27, na F1RST, antigo Geração Digital, para denunciar o avanço do processo de terceirização no Santander, e para dialogar com os trabalhadores sobre os prejuízos a quem é submetido a este tipo de regime de trabalho.

Em assembleia e consulta, bancários e terceirizados do Santander dizem NÃO à terceirização

“Muitos funcionários da F1RST pertenciam à categoria bancária e tiveram a redução de direitos e salário no processo de terceirização. Defendemos que quem trabalha no banco, bancário é, e defendemos mais contratações de bancários e bancárias. Não é certo que clientes façam o serviço bancário e ainda paguem tarifas. Hoje tem negociação do Comando Nacional dos bancários a Fenaban. O tema é terceirização e emprego. Acompanhem as negociações pelo site e pelas mídias sociais do sindicato, com a hashtag #BoraGanharEsseJogo.”
Cassio Murakami, dirigente sindical e bancário do Santander

Contra a terceirização, Sindicato protesta no Quarteirão de Investimentos
Em evento no QI, Santander faz “convite” à precarizaçãoNo Radar, Sindicato cobra o fim das demissões e da terceirização
Durante a atividade, foi distribuído material impresso Sindical Santander com HQ explicando os danos e os prejuízos da terceirização.


Golpe de 2016, reforma trabalhista e eleições de 2022
Cassio ressalta que o enfretamento ao processo de terceirização no Brasil passa pela ação sindical, mas também está diretamente ligado às eleições de outubro de 2022.
Ele lembra que o Santander está ampliando a terceirização respaldado pela reforma trabalhista e pela legalização da terceirização irrestrita de todas as atividades de uma empresa, ambas aprovadas após o golpe de 2016.
“São mudanças radicais nas relações de trabalho que foram empurradas para a população como a tábua de salvação para a geração de milhões de empregos, o que se provou uma mentira, já que hoje depois de cinco anos das alterações, o país convive com mais de 11 milhões de desempregados, e quem consegue se manter empregado enfrenta redução de direitos e de salário”, afirma Cassio.
“Por tudo isto, os trabalhadores devem ficar muito atentos às propostas dos candidatos a presidente, a deputados e a senadores. Importante lembrar que candidatos mancomunados a interesses dos empresários dificilmente legislarão em defesa dos trabalhadores. Em outubro, nós teremos a oportunidade de reagir a este processo de retirada de direitos e de redução de salários”, finaliza Cassio.
Santander, cadê o calendário de negociações?
O movimento sindical entregou à direção do Santander no dia 14 de junho a pauta com as reivindicações para a renovação do Acordo Aditivo de Trabalho do Santander, e aguarda um retorno do banco com o calendário para a realização das negociações.
  Fonte: seeb sp
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil