Webmail
quarta-feira, 18 de setembro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 28/09/2016

Metalúrgicos de todo país param na quinta (29) por direitos

Dia nacional de luta da categoria quer paralisar reformas articuladas pelo governo golpista de Michel Temer
 
Na quinta-feira (29), metalúrgicos de todo o país vão cruzar os braços e levar às ruas uma pauta extensa, mas que pode ser resumida em um ponto: nenhum direito a menos.
 
O Dia Nacional de Paralisação é convocado por sindicatos do ramo da CUT e das demais centrais e a expectativa é que ao menos a metade dos dois milhões de trabalhadores do segmento suspendam as atividades.
 
Entre as organizações ligadas à Central Única dos Trabalhadores, que representa metalúrgicos em 15 estados, apenas os sindicatos do ABC adiarão os atos para o dia 3 de outubro, já que muitas empresas suspenderam atividades por conta de férias coletivas.
 
Além da manutenção de direitos, a mobilização leva às ruas a defesa da aposentadoria e o repúdio à reforma anunciada para a Previdência Social. O combate ao desemprego, à terceirização e ao desmonte da justiça do trabalho, a luta pela redução da taxa de juros e em defesa da saúde, educação, moradia e transporte digno para todos são os outros itens da agenda.
 
Presidente da CNM (Confederação Nacional dos Metalúrgicos), Paulo Cayres, acredita que toda a política industrial corre risco com o governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB).
 
“Os metalúrgicos da CUT têm uma pauta antiga que é a renovação da frota de veículos, que estávamos discutindo com Dilma e que prevê uma série de avanços na produção de carros e caminhões. Mas nesse governo não dá para confiar, porque não senta com ninguém para conversar. Tira ideia da cabeça e impõe sem ter discutido previamente com a sociedade.”
 
Aliado a isso, diz o dirigente, não basta discutir modelos de produção, se envolverão trabalho degradante. “Não adianta discutir renovação de frota, se os carros são produzidos por trabalhadores precarizados, atingidos por um processo de terceirização que está flutuando no Senado (PLC 30)”, criticou.
 
DINHEIRO PELO RALO
Na agenda de equívocos que jogam contra a economia e os metalúrgicos, Paulo Cayres destaca ainda a decisão de Temer em comprar navios produzidos fora do país.
 
“Vão gerar empregos lá fora e recuar justamente no que estávamos avançando. O setor naval que tinha 90 mil trabalhadores já caiu para 35 mil e, ao invés de estimular produção nos nossos estaleiros, vamos na contramão”, falou.
 
Cayres acredita que os ataques aos direitos trabalhistas são uma concepção de governo que deseja varrer para debaixo do tapete a construção desenvolvimentista dos últimos 13 anos.
 
“O projeto do governo anterior vinha numa linha de distribuição de renda, geração de emprego e a indústria ajudou muito no crescimento do PIB, que chegou a 7,5% de crescimento em 2010. Quando retira recursos do trabalhador, retira salário e congela ganhos do setor público, mantendo-os 20 anos congelado, como estão planejando, você trava tudo.”
 
 
Fonte: CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil