Webmail
quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

EM CIMA DA HORA

publicado em 15/09/2016

CUT seguirá defendendo os direitos da classe trabalhadora

Ao ministro do Trabalho, Central afirmou que não reconhece o atual governo como legítimo
 
A CUT participou na quarta-feira (14), de reunião entre o Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, e representantes das centrais sindicais.
 
O presidente da CUT, Vagner Freitas, deixou claro durante a audiência que o fato dele estar na reunião, com a vice-presidente Carmen Foro, e o secretário de Assuntos Jurídicos Valeir Erthle, não significa que a CUT reconhece esse governo. Porém, como representantes da classe trabalhadora, a maior central do Brasil não pode se furtar a a representar o trabalhador. E representar o trabalhador diante do atual cenário é dizer que não vai negociar a retirada de direitos, que vai organizar um Dia Nacional de Paralisação, no dia 22, contra o desemprego, as reformas da Previdência e trabalhista e qualquer ataque aos direitos conquistados nos últimos anos.
 
O presidente da CUT, abriu sua fala dizendo que a CUT não reconhece esse governo, que o ministro do Trabalho "faz parte de um governo que não deveria existir porque não foi eleito e, portanto, não tem legitimidade."
 
O dirigente disse ainda que a CUT não vai aceitar idade mínima para aposentadoria - "isso é um retrocesso enorme" -, nem tampouco o negociado sobre o legislado, muito menos aumento de jornada de trabalho. Se o governo mandar essas medidas para o Congresso Nacional, "vamos para greve geral", disse Vagner.
 
Independentemente das reformas, o presidente da CUT disse ao ministro que a Central e os movimentos populares continuarão lutando nas ruas pela volta do Estado democrático de direito no Brasil e contra a retirada de direitos sociais e trabalhistas.
 
 
Fonte: CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil