Webmail
domingo, 28 de fevereiro de 2021

EM CIMA DA HORA

publicado em 15/09/2016

"Crime de Lula foi se negar a governar para poucos"

Presidente da CUT reafirma solidariedade da Central ao ex-presidente e aponta que bandeira de luta por igualdade e direito continua viva
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado pelo Ministério Público Federal nesta quarta-feira (14) de comandar um suposto esquema de corrupção na Petrobrás. Cabe agora ao juiz federal Sergio Moro decidir se aceita a acusação e transforma Lula em réu.
 
Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, a investigação é seletiva e tem como objetivo minar qualquer chance da volta de um modelo de governo calcado no desenvolvimento com distribuição de renda.
 
“Hoje o Brasil viveu um dia triste, porque uma investigação seletiva, que não é republicana, tentou expor para o mundo como comandante da corrupção o maior comandante da esperança do povo brasileiro”, definiu.
 
Vagner destacou que o motivo da perseguição à Lula é ter mudado a forma como o governo enxergava o país, de um lugar para poucos e transformá-lo numa República para muitos.
 
“Lula é comandante da retirada de milhões de pessoas da linha da miséria, comanda os trabalhadores para que seus direitos não sejam vilipendiados, comanda a esperança de termos um Brasil que não seja apenas para alguns, de termos futuro para nós e para nossos filhos. E que esse futuro não seja atrelado aos interesses do capital internacional. Isso fez com que fosse colocado de maneira infame como chefe de quadrilha”, criticou.
 
O dirigente ainda ressaltou que a CUT estará ao lado do ex-presidente. “Nós, da CUT, sabemos que defender os trabalhadores é defender nossa autonomia e independência, o pré-sal, os investimentos em saúde e educação públicas de qualidade, a manutenção dos direitos e, portanto, defender Lula, que representa tudo isso. Nós estaremos juntos para que o país continue crescendo e não tenhamos nenhum retrocesso”, falou.
 
E AS PROVAS?
Durante coletiva convocada logo após a divulgação da denúncia, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, também apontou que a atuação do Ministério Público é “política".
 
"O MPF elegeu Lula como 'maestro de uma organização criminosa', mas 'esqueceu' do principal: a apresentação de provas dos crimes imputados", afirmou.
 
Ele também destacou que não há documentos que provem ser do ex-presidente o triplex no Guarujá atribuído ele.


Fonte: CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil