Webmail
domingo, 28 de fevereiro de 2021

EM CIMA DA HORA

publicado em 15/09/2016

10º dia de greve cobra negociação sem enrolação

Fenaban e Comando Nacional reúnem-se a partir das 16h; bancários seguem mobilizados contra proposta de reajuste abaixo da inflação e cobram aumento digno, fim das demissões, vales e auxílio-creche maiores
 
Oitava rodada de negociação e o recado dos bancários para os banqueiros é claro: chega de enrolação! “Vamos voltar à mesa de negociação com a federação dos bancos e queremos proposta decente para as reivindicações da categoria”, afirma a secretária-geral do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva. A reunião entre a Fenaban e o Comando Nacional dos Bancários está marcada para as 16h desta quinta-feira (15).
 
Os bancários seguem firmes na greve contra a proposta que os bancos insistiram em defender, por horas, na negociação realizada na terça-feira (13): 7% de reajuste mais R$ 3.300 de abono, acarretando perda salarial de 2,39%.
 
PARADOS
A paralisação nacional completa 10 dias nesta quinta-feira (15). Em São Paulo, Osasco e região, agências de bancos públicos e privados amanheceram fechadas. Também estão paralisadas as atividades nos centros administrativos Santander (Casas 1 e 3), no Vila, e na Konecta; no CSA Ipiranga e no prédio da 15 de Novembro do BB. Também estão fechados o Itaú BBA no prédio da WTorre, o CA Pinheiros, o Brigadeiro, o ITM, CTO e CAT, assim como o contingenciamento nas ruas Fábia e Jundiaí. Estão em greve, ainda, os trabalhadores do Casp do HSBC, do Bradesco Prime, da Paulista, de Alphaville, da Nova Central e do Telebanco Santa Cecília. Os empregados da Caixa, na Gipes e no prédio da Paulista também pararam.
 
“A categoria não vai aceitar perdas e a mobilização que cresce a cada dia deixa isso muito claro. Todo mundo quer dinheiro no bolso, claro, mas com reajuste digno”, avisa Ivone.
 
 
A dirigente lembra outras reivindicações fundamentais para as quais os bancos até agora só disseram “não”. “Chega de demissões, os bancos precisam contratar para acabar com a sobrecarga de trabalho. Os R$ 394 do auxílio-creche/babá estão muito distantes do que os bancários gastam para deixar os filhos e os bancos podem melhorar esse valor. A inflação dos alimentos bateu a casa dos 17%, ou seja, o VA e o VR precisam de reajuste maior.”

 
Fonte: Seeb/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil