Webmail
segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 27/11/2019

Santander demite bancária em tratamento contra o câncer

Em mais um flagrante desrespeito a quem se esforça para garantir os lucros (e os dividendos pagos aos acionistas) cada vez mais expressivos, o Santander demitiu uma bancária em pleno tratamento contra o câncer, e às vésperas do Natal. 

Paula (nome fictício) enfrenta uma batalha contra um tumor na mama e tinha acabado de retornar do período de férias. A demissão ocorreu um dia depois, no dia 19 de novembro. 

“Faço acompanhamento no médico de seis em seis meses, tomo comprimido todos os dias e injeção de três em três meses. (...) apresentei atestados comprovando que eu faço tratamento e, na terça feira, (...) quando foi umas 9h, me demitiram com a justificativa de performance. Eu perguntei ‘Por quê? A minha atividade não está em dia? Não está tudo certo?’ O gerente respondeu que sente muito, e que a área está passando por uma transformação.”

Ela trabalhava no departamento de manufatura, no Radar (antigo Casa 1). A área está sob supervisão de uma consultoria independente que analisa os processos para automatiza-los a fim de cortar custos com pessoal. 

“Um monte de gente estava sendo demitida e eu fiquei muito preocupada com meu plano de saúde. Fui até o hospital e pedi para o médico me dar alta porque eu achava que ia ser demitida e não ia conseguir custear os medicamentos. O médico falou ‘não, você não pode ter alta porque ainda corre risco de morte’”, conta Paula.

Após a demissão, ela procurou o Sindicato, que a orientou a pedir um laudo médico no hospital. No dia 21 de novembro foi enviado para o Santander um e-mail, com o laudo médico em anexo, explicando o quadro médico da trabalhadora e cobrando a revisão da demissão. Mas até o momento da publicação deste texto não houve retorno do banco. 

No dia 22, o dirigente sindical e bancário do Santander Roberto Paulino entrou em contato com a área de RH de Relações Sindicais do banco.  “É uma contradição um banco, através do seu presidente e diretoria executiva, promover campanha de prevenção do câncer de mama demitir uma bancária em pleno tratamento contra a mesma doença”, protesta o dirigente.  

“Assim como é uma vergonha um banco lucrar tanto à custa da sociedade e da saúde dos trabalhadores e ainda contratar uma consultoria, visando demitir, em um banco com sobrecarga de trabalho em muitas áreas, e em um país com 12 milhões de desempregados”, acrescenta Paulino. “Isso resume a falta de humanidade da gestão brasileira do banco com matriz na Espanha, onde seria impensável o mesmo tipo de postura”, afirma.

Somente com o que arrecada com tarifas e serviços cobrados do cliente, o Santander poderia pagar praticamente duas folhas de pagamentos (199%). “Isso representa mais 49.000 trabalhadores. O banco precisa de uma concessão pública para atuar no mercado financeiro do nosso país. Se é público, é um direito do povo brasileiro. E o Santander deveria retribuir à sociedade brasileira por meio da geração de empregos, e não demitindo pais e mães de família às vésperas do Natal”, afirma Roberto Paulino.

A trabalhadora demitida agora diz ter mágoa de uma empresa para a qual trabalhou por 13 anos e da qual disse sempre ter sentido orgulho. 

“Eu fiquei muito decepcionada, indignada. Sempre vi o banco de uma forma muito positiva. A empresa sempre se preocupou em mostrar que é um banco justo. Mas justo com quem? Não é justo nem com os funcionários, porque o banco tem noção das coisas que acontecem. Eu fiquei bem decepcionada, indignada, porque esperaram eu voltar das minhas férias para me mandar embora mesmo sabendo de todo o processo [clínico]”, desabafa.  Fonte: Redação Spbancarios
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil