Webmail
terça-feira, 17 de setembro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 09/09/2019

70 milhões de brasileiros são pobres ou extremamente pobres

Depois que os programas de combate a pobreza criados por Lula começaram a ser enxugados ou extintos, o número de pessoas pobres subiu de 52,8 milhões para mais de 54 milhões.

A pobreza vem crescendo desde 2015, quando teve início a gestão do golpe que derrubou a ex-presidenta Dilma Rousseff no ano seguinte. 

Os programas de combate à pobreza criados na gestão do ex-presidente Lula reduziram o percentual de pessoas pobres no Brasil para 25,7%, em 2016. Em 2017, o percentual subiu para 26,5%. Em números absolutos, o contingente aumentou de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas, no período. Já na extrema pobreza, eram 13,5 milhões de pessoas em 2016 (6,6%). Em 2017, aumentou para 15,2 milhões (7,4%). Ao todo, são 70 milhões de brasileiros vivendo na pobreza e na extrema pobreza. 

A estimativa é do economista Francisco Menezes, a partir de dados da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgados em dezembro de 2018, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que levou em consideração a linha traçada pelo Banco Mundial sobre o rendimento de pessoas pobres e em extrema pobreza, de R$ 406,00 / mês e R$ 140,00/ mês, respectivamente. 

O economista, que é um dos coordenadores da equipe técnica do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), afirma ainda que a extrema pobreza tem tido um processo mais acelerado do que a pobreza, em boa parte causada pelo desemprego, já que milhões de famílias perderam toda a sua fonte de renda num curto período.

Para ele, a política adotada pelo ilégitimo Michel Temer (MDB- SP), que continua com Jair Bolsonaro (PSL), de enfrentamento da crise econômica com políticas de arrocho, congelamento de gastos e extinção de programas sociais, penaliza os mais pobres.

“Temos a Emenda 95, que congelou por 20 anos os investimentos públicos, a reforma Trabalhista que não gerou os empregos prometidos, que só retirou direitos e proteção social; a possibilidade de aprovar uma reforma da Previdência, também prejudicial aos trabalhadores, e o desmonte de políticas públicas sociais como as de segurança alimentar e nutricional. Tudo isso não provoca crescimento econômico e joga a população na miséria”, afirma. 

De acordo com o economista, ao pesquisar a fome, encontra-se famílias que continuam nesta condição e foram excluídas indevidamente do Bolsa Família.

“O governo se vangloria de combater a fraude no programa, mas na verdade está excluindo milhares de famílias sem nenhum cuidado, deixando toda uma camada da população vulnerável”, critica.

Francisco conta que programas exitosos de enfrentamento de problemas sociais estão sendo desmontados, com orçamentos quase zerados como o de aquisição de alimentos da agricultura familiar e o programa de cisterna do semiárido, premiado no mundo.

“Meu diagnóstico é que essas práticas adotadas de cortes no orçamento social vão agravar cada vez mais a situação da população mais pobre. Infelizmente, este governo em vez de ter políticas voltadas para o povo prefere defender o capital financeiro“.

A pesquisa

As estimativas do número de pessoas em condição de pobreza e extrema pobreza no Brasil são feitas através do estabelecimento de patamares de renda domiciliar per capita.

O levantamento utilizou como fonte os dados divulgados pelo IBGE da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios (PNAD), até 2012, e da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua (PNAD-C), em seu módulo Renda.

O último módulo da PNAD-C foi divulgado em abril de 2018, quando foram  apresentados os dados referentes ao ano de 2017.

O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) trabalhava com linhas de pobreza e extrema pobreza referenciados nos patamares estabelecidos para o Programa Bolsa Família em junho de 2011, quando era considerada extremamente pobre a pessoa com renda mensal igual ou menor do que R$ 70,00 e em condição de pobreza aquelas com renda mensal maior do que R$ 70,00 e até R$ 140,00.

Seguindo esses patamares e realizando a devida correção (deflacionados/inflacionados pelo INPC para os meses de referência de coleta da PNAD) estimou-se a população em situação de pobreza e extrema pobreza no período de 1992 até 2017 (Gráfico abaixo). 

“Os números que seguem as linhas do MDS e as agora adotadas pelo IBGE sobre os mesmos dados divergem, como seria de se esperar, mas a tendência de crescimento da pobreza e da extrema pobreza confirma-se. O grupo mais pobre cresceu mais acentuadamente desde 2015, inclusive ultrapassando o grupo considerado pobre, em 2017”, afirma o economista.

  Fonte: Seeb/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil