Webmail
domingo, 24 de março de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 12/03/2019

Mobilizações do dia 8 de março mostra a força das mulheres de todo o país

As mobilizações deste 8 de março ganharam as ruas de todo o país. Milhares de mulheres se uniram no Dia Internacional da Mulher nas principais capitais do Brasil para protestar contra a reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro, por justiça e contra a violência que assola o país. Em São Paulo, mais de 80 mil mulheres se uniram contra a política de retrocessos atual e intensificaram a luta por justiça por Marielle e Lula Livre.

“As mulheres demonstraram, neste 8 de março que a luta segue ainda mais forte em defesa da igualdade, da equidade, da retirada de direitos, contra o fim da nossa aposentadoria e contra todas as formas de violência que cresce assustadoramente no país”, destacou Elaine Cutis, secretaria da Mulher da Contraf-CUT.

O principal grito de guerra das mulheres que participaram das manifestações do Dia Internacional da Mulher foi o “não” para reforma da Previdência de Bolsonaro, que acaba com a aposentadoria para milhares de trabalhadoras. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma propõe acabar com a regra de aposentadoria por tempo de contribuição, prevê a obrigatoriedade de idade mínima de 62 anos e 20 anos de contribuição. O tempo mínimo de contribuição sobe de 15 anos para 20 anos e as trabalhadoras vão receber apenas 60% do valor do benefício. Para ter acesso à aposentadoria integral, a trabalhadora terá de contribuir por pelo menos 40 anos.

O coro dos protestos também foi intensificado contra toda forma de violência que atinge o país, principalmente com o aumento do feminicídio - casos em que mulheres foram mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero - com dados assustadores, sendo registrados 1.173 mortes só no ano passado, comparado a 2017 com 1.047 casos.

Além do grito contra a violência, as mulheres intensificam a luta contra as injustiças, como no caso de Marielle Franco e por Lula livre.
   
Lula vale a luta

A prisão de Lula já movimentou o mundo inteiro. Hoje ele é indicado ao Prêmio Nobel da Paz. Muitas mulheres se mantiveram na linha de frente desta resistência exigindo a sua liberdade! Porque lutar pela liberdade de Lula é lutar pelo direito dos que mais precisam. Lula é um preso político.
 
Lula livre é uma das principais causas da luta das mulheres, pois Lula foi imprescindível nas principais conquistas das lutas femininas. Vale destacar que Lula criou a secretaria de Política para mulheres, deu crédito para as trabalhadoras da agricultura familiar, possibilitou o sonho da casa própria e viabilizou a luta contra a violência contra mulher, com o disque denúncia 180, entre outros importantes avanços.
 
Marielle sempre presente

Marielle Franco perdeu a vida por lutar contra injustiças. Quem matou Marielle? É uma pergunta sem resposta por quase um ano. Mulheres reivindicam que as investigações de seu assassinato se aprofundem, por Marielle, pelas outras tantas Marieles e Marias de todo o país.   Dia 14 de março faz um ano da morte de Marielle Franco e dia 7 de abril um ano da prisão de Lula. “A democracia passa necessariamente pela libertação de Lula e a justiça por Marielle.

Não vamos nos acovardar diante de tantas atrocidades. Não vamos nos calar. Seremos resistência na luta por justiça e por um mundo mais humano, igualitário e justo”, afirmou Elaine.
  Fonte: Contraf-CUT
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil