Webmail
quarta-feira, 23 de outubro de 2019

EM CIMA DA HORA

publicado em 18/07/2016

Dirigentes sindicais destacam, em seminário, que a saída contra retirada de direitos é a luta

Sindicato promove seminário Conjuntura e Previdência Social como mais uma das estratégias em cenário de retrocesso e ataque a direitos dos trabalhadores.
 
Diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores e à democracia, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região promoveu, nesta sexta-feira (15), o seminário Conjuntura e Previdência Social. O evento, realizado em São Paulo, lançou a cartilha Entender e Defender a Previdência Social.
 
Segundo a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo e vice-presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, “a cartilha será distribuída massivamente para que trabalhadores compreendam o que significa a retira de direitos que está sendo imposta por esse governo, com uma reforma que diz que temos de nos aposentar aos 70 anos. Temos de aprender a nos defender nesse cenário de retrocessos”, afirmou.
 
O presidente da CUT/SP, Douglas Izzo, também participou da abertura e destacou a importância do evento “para armar nossas categorias e construir uma narrativa diante do que é veiculado nos meios de comunicação”. Diante do ataque aos direitos dos trabalhadores e à democracia, lembrou que a Central está organizada, fazendo o enfrentamento nas ruas. “No segundo semestre estamos construindo estratégia para uma greve geral. Nossa resposta para todo esse pacote de maldade será parar o Brasil. Porque, se conseguirem fazer 10% do que anunciam, será terra arrasada”.
 
Primeira mesa de debates
 
Após a abertura, a primeira mesa de debates do dia destacou a atual conjuntura política do país. A mesa foi comandada pela presidenta da Fetec-CUT/SP, Aline Molina, e contou com os escritores Fernando Morais (à esquerda) e Gregório Duvivier, que também é ator.
 
O primeiro registro de Fernando Morais na carteira de trabalho foi do Banco da Lavoura, há 54 anos. “Sinto-me em casa”, anunciou o escritor ao iniciar sua análise na primeira mesa de debates do dia, mediada pela presidenta da Fetec CUT/SP, Aline Molina, com a participação do ator e também escritor Gregório Duvivier. “Não poderia haver ocasião mais oportuna para esse debate. Estamos vivendo uma das mais graves conjunturas políticas da nossa geração”, disse. “Cada dia mais me convenço que este governo golpista está conseguindo trazer mais prejuízo em 60 dias do que os milicos em 20 anos de ditadura militar. Eles prenderam torturaram, exilaram, mas não fizeram estrago na soberania brasileira como Temer e sua quadrilha: Moreira Franco, Eliseu Padilha, Gedel Vieira Lima”.
 
A crítica ao governo interino também foi a tônica da fala de Duvivier, que retratou todo esse processo como um retrato da sociedade brasileira. “O Rio de Janeiro fez o Museu do Amanhã. Mas o Brasil não tem museu do ontem, da escravidão. É o famoso ‘bola pra frente’, esquecer a história”. Ao comentar sobre a eleição de Rodrigo Maia, disse que a presidência da Câmara é algo a ser estudado: já tivemos Severino Cavalcanti, Eduardo Cunha, o próprio Temer. Parece que tem de ser gangster para negociar com a pior corja possível”, criticou e ainda destacou: “Diziam que Dilma tinha problema, não dialogava com a Câmara. Mas quando a gente vê aquela Câmara pensa: que bom!”
 
Segunda mesa de debates  
 
Ainda na parte da manhã, a segunda mesa do dia contou com os economistas Laura Carvalho, Márcio Pochmann e, novamente, João Sicsú. O debate foi mediado pelo presidente da Contraf-CUT, Roberto Von der Osten.
 
"Este Seminário vem no exato instante onde a gente está precisando refletir e lutar. O maior inimigo dos direitos dos trabalhadores, neste momento, está na casa das leis, com ameaças de redução de direitos históricos dos trabalhadores. O Congresso conservador e vinculado a setores interessados em baixar os custos de seus empreendimentos, enfiando a mão no bolso da classe trabalhadora, articula incansavelmente transformar um Estado que deveria promover o bem-estar social, num Estado que vai causar um tremendo mal-estar no povo. Por isso, vem aí tempo de resistência e muita unidade, onde o trabalhador vai precisar muito do movimento sindical. E já percebe isto. Este Seminário ajuda muito a compreender tudo isso”, ressaltou Roberto von der Osten.
 
O economista João Sicsú falou sobre a necessidade de produzir informação que esclareça a sociedade. Autor da cartilha Entender e Defender a Previdência, ao lado do também economista Eduardo Fagnani, lembrou de outro material, produzido em parceria com o Sindicato em 2015, sobre a necessidade de reforma tributária no Brasil. “A sociedade não conhece o sistema tributário. Uma pesquisa apontou que 50% das pessoas achava que não pagava imposto. Há uma grande desinformação com relação a temas cruciais. Passam ideia de que pagamos impostos demais. Sobre a reforma da Previdência dizem que tem déficit e que está falindo. A Previdência no Brasil não tem nada de deficitária. E não é verdade que é fácil se aposentar, mas somente uma pequena parcela se aposenta com idade mais baixa. Nosso sistema é bem rigoroso”, explicou. “Precisamos fazer essas discussões para ter entendimento claro e poder fazer mobilização, discussão e enfrentamento”.
 
Fonte: Contraf-CUT com informações Seeb SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil