Webmail
segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias

publicado em 07/12/2016

Agências fechadas, reuniões com funcionários e esclarecimento aos clientes marcaram o Dia Nacional de Luta do Banco do Brasil

Os sindicatos filiados à Federação dos Bancários da CUT de São Paulo (FETEC-CUT/SP), juntamente com os bancários do Banco do Brasil, fizeram diversas manifestações sindicais nesta quarta-feira (7), Dia Nacional de Luta contra a reestruturação do Banco do Brasil. Foram realizadas reuniões com os funcionários, agências e centros administrativos ficaram fechados, ou tiveram o horário de abertura atrasado, e os dirigentes sindicais e, em muitos casos os próprios funcionários, informaram os motivos dos protestos aos clientes e entregaram a “Carta Aberta à População”, redigida pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB).
 
“As atividades ocorreram em todo o país. Seguimos a orientação da Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) de reunir os funcionários e paralisar as agências e centros administrativos para mostrar aos clientes o desrespeito da direção do BB com as pessoas que se doam para que o banco obtenha bons resultados e a irresponsabilidade da instituição em um momento de crise como a que vivemos. Ao invés de ajudar o país a sair da crise, a reestruturação do BB vai aumentá-la ainda mais”, informou o diretor de Bancos Públicos da FETEC-CUT/SP e funcionário do BB, Antonio Sabóia Barros Junior.
 
      > Confirma algumas atividades realizadas na base da FETEC-CUT/SP
             > Funcionários do BB realizam Dia Nacional de Luta contra reestruturação
             > São Paulo: Dia de Luta no BB contra reestruturação
             > Araraquara: Sindicato reúne funcionários do BB para debater reestruturação
             > Bancários fecham agência do Banco do Brasil em Mairiporã
             > Sindicato de Jundiaí paralisa agências do BB contra reestruturação
             > Limeira: Sindicato realiza ato na agência Pça Toledo Barros e distribui carta aberta à população
             > Bancários do ABC participam do Dia Nacional de Luta no Banco do Brasil
             > Dia Nacional de Luta contra reestruturação do BB: Sindicato dos Bancários de Catanduva e Região distribui carta aberta em Itápolis e Ibitinga
             
Com a reestruturação, não haverá vagas para todos. Muitos funcionários serão realocados para outras agências e outros cargos, muitas vezes com salários muito menores do que os atuais. “O projeto de reestruturação foi elaborado às escondidas, à revelia dos funcionários. Não fomos ouvidos em nenhum momento e soubemos dos detalhes somente depois do vazamento para a imprensa. Não se buscou uma forma alternativa, que não levasse ao fechamento de agência e à redução do quadro dos funcionários. O atendimento aos clientes também será prejudicado. Somos contra o processo de reestruturação mas, diante da irredutibilidade do banco, propusemos a criação de verba para manutenção dos salários até que todos sejam realocados”, afirmou o diretor da FETEC-CUT/SP.
 
A CEBB se reunirá com a direção do banco na quinta-feira (8), em Brasília, para discutir a reestruturação.
 
MENOS AGÊNCIAS, MENOS EMPREGOS, MAIS FILAS
A reestruturação que já está em andamento no BB vai levar ao fechamento de 402 agências e a transformação de outras 379 em Postos de Atendimento, com uma redução de 18 mil postos de trabalho. O banco já informou que não existe previsão de concursos para recompor o quadro de funcionários. “Isso causará um enorme impacto na economia e, principalmente, no orçamento das famílias dos bancários que deixarão o banco, ou terão seus salários drasticamente reduzidos”, enfatizou o diretor da FETEC-CUT/SP.
 
Com o fechamento das agências, muitos bancários perderão cargos comissionados e, com isso, terão suas remunerações reduzidas em até 70%, dependendo do cargo atual e para qual será realocado.
 
Na “carta aberta”, os representantes dos funcionários do BB ressaltam que a reestruturação traz reflexos imediatos na qualidade do atendimento aos clientes, que são os maiores prejudicados ao lado dos funcionários. Lembram, ainda, que o BB é responsável por cerca de 60% do crédito agrícola no país e que esta atuação também será afetada, prejudicando os pequenos e médios produtores.
 
Leia também:
      > Sem respostas concretas do BB, Contraf-CUT orienta Dia Nacional de Luta para dia 7
      > Banco do Brasil: não haverá função para todos
 
Leia abaixo a íntegra da Carta Aberta à População.

FECHAMENTO DE AGÊNCIAS DO BB PREJUDICA CLIENTES

Ao lado dos funcionários, os clientes são os maiores prejudicados pela reestruturação do Banco do Brasil, anunciada no final de semana. O fechamento de 402 agências, a transformação de outras 379 em postos de atendimentos e a saída de 18 mil funcionários por meio de plano de incentivo à aposentadoria atingem diretamente o atendimento à população.

A medida também terá impacto no acesso ao crédito. Os bancos públicos aumentaram o crédito de 38% para 57% de 2008 para 2016, enquanto os privados tiveram redução de 5% nos últimos dois anos.

A falta de responsabilidade social do BB fica clara ao anunciar mudança tão brusca num momento em que a economia brasileira passa por forte retração da atividade econômica, elevação do desemprego e queda na renda das famílias. O BB é responsável, por exemplo, por cerca de 60% do crédito agrícola no país. Esse desmonte só interessa aos bancos privados, que não terão concorrência, num sistema financeiro extremamente concentrado e sem os bancos públicos fortes, toda a sociedade perde.

As alternativas para a saída da crise devem ser debatidas e construídas com toda a população e exigem a retomada da expansão do crédito para setores prioritários como moradia popular, agricultura familiar, pequenas e médias empresas.

Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil

  Fonte: FETEC/SP
  • Whatsapp
  • Telegram

Leia Mais

FETEC-SP é uma marca registrada. Todos os Direitos Reservados.
INFOSind - A MAIOR Empresa de Gestão Sindical do Brasil